Nome
E-mail
Home | Notícias
Corrida de Toiros em Penamacor

O fim-de-semana tauromáquico do Grupo de Montemor começou em Penamacor. Uns na véspera, outros no dia, cedo nos juntámos naquela terra bonita junto a Castelo Branco. Para nos receber como não podia deixar de ser estava o antigo elemento António Lopes com a sua família e amigos, também eles grandes aficionados ao nosso grupo.

O cartel era composto pelos cavaleiros Luís Rouxinol e Pedro Salvador e a pé o novilheiro Mário Miguel, para lidarem um curro de toiros da ganadaria Marquês da Graciosa.

O primeiro toiro saiu bem, feio de córnea (baixel e com pouco corno), começou a andar pouco no fim da lide (um pouco lento de investida), para pegar foi escolhido pelo Guiga o forcado Francisco Zenkl, que ainda na semana anterior se tinha fardado pela primeira vez. Citou o toiro de largo, provocou a investida deste na altura certa e reuniu bem, mas no caminho e depois de um derrote faltou-lhe corno e também o reflexo de passar para a córnea (visto ser barbeleiro) e saiu. Na segunda tentativa voltou a estar bem e com uma boa primeira do Abelha consumou a pega.

O segundo toiro foi o maior e mais sério que nos tocou nesta tarde e o cabo escolheu o Carlos para o ir pegar. Na 1ª tentativa depois de citar bem adiantou-se um pouco e descompôs a investida do toiro que não permitiu a reunião. À segunda voltou a não reunir muito bem mas depois com muita alma aguentou sucessivos e duros derrotes fazendo a pega da tarde.

O nosso último toiro saiu bem e o cabo “deu-o” ao Frederico Manzarra Caldeira que se encontrava perto da sua terra Idanha-a-Nova, brindou ao seu avô materno Gerónimo Manzarra e citou o toiro. Talvez por pegar em casa e perante a sua família acusou alguma responsabilidade e não teve bem com o toiro e com algumas dificuldades em se agarrar só concretizou a pega à quinta tentativa. As coisas para o Frederico não correram como ele queria, mas para a próxima tudo irá sair melhor.

Jantámos em Penamacor na companhia do Mário Miguel e respectiva comitiva e ainda com o nosso grande amigo (um dos grandes forcados que todos admiramos) António Lopes. Penamacor era uma terra em festa e apesar a corrida não ter sido o sucesso que sempre procuramos, festejámos também conscientes de que melhores tardes virão.

João Freixo

9 de Julho de 2005

Voltar
com o apoio de