Nome
E-mail
Home | Notícias
Corrida de Toiros em Lisboa (Campo Pequeno)

Campo Pequeno, 3 de Julho – Dia de emoções fortes!

Antes de mais, e em primeiro lugar, quero agradecer ao Cabo António Vacas de Carvalho por mais uma vez me convidar para escrever umas linhas para o site do nosso Grupo. Desta feita, o desafio foi grande, pois o dia 3 de Julho de 2014 ficará recordado para sempre como um dia pleno de emoções fortes para o Grupo de Forcados Amadores de Montemor-o-Novo!

Dia grande, ou melhor, um grande dia! Agenda cheia e muita responsabilidade. A tarde começou em plena arena do Campo Pequeno, com o lançamento da fotobiografia do nosso querido José Maria Cortes. Um livro em que eu, juntamente com o Francisco Romeiras, idealizámos, desenvolvemos e construímos de forma a homenagear e perpetuar o ENORME FORCADO que foi o Zé Maria, um líder “de mão cheia”, um cabo que fez História e ficará para sempre na História do Grupo de Forcados Amadores de Montemor e na nossa Festa de Toiros. Uma homenagem mais do que merecida e que visou imortalizar em imagens, testemunhos e texto, uma personalidade apaixonante que, como disse e sempre repetirei, é um verdadeiro Herói. O lançamento foi um momento muito emotivo, de grande simplicidade e enorme grandiosidade, a que se juntou a Família, amigos, antigos e actuais elementos do Grupo de Montemor, forcados de outros grupos, ilustres conhecidos e desconhecidos que quiserem estar presentes naquele momento de homenagem. Na apresentação falou o antigo cabo Rodrigo Corrêa de Sá “Guiga”, o Francisco Romeiras, eu próprio, o cabo António Vacas de Carvalho e o José Fernando Potier, como Presidente da Associação Nacional de Grupos de Forcados (não esquecendo também o facto de ser antigo elemento do Grupo de Montemor). “JOSÉ MARIA CORTES, UM FORCADO PARA A HISTÓRIA”… penso que o título do livro diz tudo!

A noite reservou mais um grande momento para o Grupo de Montemor: Campo Pequeno, 22 Horas, 50ª Corrida TV. Uma das corridas com maior prestígio no calendário taurino português e uma corrida com forte simbolismo, pois na arena da capital 50 anos de depois, juntaram-se os dois grupos de forcados que pegaram a primeira Corrida da Televisão, bem como saiu à arena, um curro de toiros de Murteira Grave, a mesma ganadaria que esteve presente na referida corrida.

O cartaz completo foi o seguinte: Seis toiros da Ganadaria de Murteira Grave para os cavaleiros António Ribeiro Telles, Vítor Ribeiro e João Maria Branco. Grupos de Forcados Amadores de Montemor-o-Novo e Amadores de Lisboa. Em disputa o prémio para a melhor lide a cavalo e para a melhor pega.

Os “Murteira Grave” enviados para o Campo Pequeno saíram com uma apresentação irrepreensível. Bonitos, com muito trapio, dignos de uma praça de toiros de primeira categoria e de uma corrida com estes pergaminhos e esta História! O comportamento, na generalidade, revelou bravura e transmissão, proporcionando uma grande noite de bonitas e rijas pegas, por parte dos dois grupos em praça.

Ao Grupo de Montemor coube a responsabilidade de pegar o primeiro (574 Kg), o terceiro (580 Kg) e o quinto da ordem (590 Kg). 

Assim, para a abrir praça, o cabo António escolheu esse grande forcado que é o João Pedro Tavares “Peco”. Bonito a citar, mandou na investida e reuniu com grande decisão à primeira, com o grupo a ter uma intervenção rápida e a ajudar de forma muito coesa. Grande pega!

Para pegar o terceiro “Murteira Grave” da noite, saltou à arena o João Romão Tavares. Esta pega teve a particularidade de ser brindada ao Francisco Romeiras e a mim próprio, o que nos encheu de orgulho e, eu em particular, agradeço este bonito brinde e atitude. É, sem dúvida, um agradecimento à grande amizade que eu e o Francisco temos pelo Grupo de Montemor e, também, um agradecimento ao livro, que horas antes lançámos e que visou perpetuar o nosso querido Zé Maria. O João, antes de iniciar o cite, ainda brindou aos céus, ao Zé Maria, repartindo o brinde. Olé para o João, para o cabo António e para todo o Grupo! Já com o barrete colocado, o João citou de forma bonita e alegre. Ajudas “à Grupo de Montemor” (bem cá atrás) e o forcado a chamar calmamente o Grave, que teimava em não avançar. Já dentro dos terrenos do toiro, bem perto, o João arrancou-lhe a investida e com um enorme par de braços fechou-se rijamente e com grande determinação. Depois aguentou com muita alma até à chegada eficaz das ajudas, consumando-se assim esta enorme pega!

O quinto toiro da noite, último do Grupo de Montemor, foi um toiro duríssimo para a pega. Cheio de sentido e arrancadas de manso. O escolhido para esta difícil tarefa foi o jovem mas já grande forcado Francisco Borges. Citou de forma elegante (como ele tão bem sabe fazer) teve que entrar nos terrenos do toiro para o ir buscar e, no momento da reunião, o toiro deu-lhe um enorme derrote, deixando o Francisco inanimado na arena. Um grande susto para todos, destacando-se a rápida intervenção do forcado e irmão do Francisco, Pedro Borges, que deu o corpo ao toiro, bem como a intervenção do rabejador Francisco Godinho “Sacaio” que tentou de forma estóica imobilizar o Grave. Merece ainda especial destaque a intervenção do cabo dos Amadores de Lisboa, Pedro Maria Gomes, que rapidamente foi para junto do Francisco para o socorrer. Um grande susto mas que, Graças a Deus, não passou disso mesmo. O Francisco está bem e não tarda nada, vamos voltar a vê-lo efectuar grandes pegas! Para o dobrar saltou a arena outro grande forcado: Frederico Caldeira “Manzarra”. Na primeira tentativa esteve calmo a citar, mas no momento da reunião também ele sofreu um violento derrote. Na segunda tentativa, já com as ajudas mais reforçadas, o Frederico fechou-se com muita decisão, o grupo a entrar de forma determinada e muito coesa, fechando assim esta dura pega, a um toiro que “pediu muitas contas”.

Pelos Amadores de Lisboa pegaram Pedro Gil à primeira, Daniel Batalha à segunda e Manuel Jorge Guerreiro à primeira tentativa.

No final da corrida foram atribuídos os prémios em disputa: o prémio para a melhor lide foi entregue ao cavaleiro António Ribeiro Telles. O prémio para a melhor pega foi entregue ao nosso João Romão Tavares pela pega efectuada ao terceiro toiro da corrida! Troféu entregue ao João, ao nosso Grupo e uma pega com um sabor muito especial, como se pode imaginar!

Grande noite de pegas, grande dia para o “meu” Grupo de Montemor”! Como eu costumo dizer e escrever (e nunca me cansarei!) é o melhor Grupo do Mundo! Neste dia 3 de Julho de 2014 voltou a escrever mais uma bonita página na sua enorme História. Uma História que conta com 75 Anos de Glória!

Obrigado mais uma vez ao cabo António e… pelo Grupo de Montemor… Venha vinho! Venha vinho! Venha vinho!

Campo Pequeno, 3 de Julho de 2014

Miguel Soares

Voltar
com o apoio de