Nome
E-mail
Home | Notícias
Fim-de-semana taurino: 15 e 17 de Agosto
Reguengos de Monsaraz - 15 de Agosto

No dia mais Taurino de todos, o Grupo de Montemor apresentou-se em Reguengos de Monsaraz, onde habitualmente marca presença, para enfrentar um bonito curro de “Ortigões”.

Antes do início da corrida, a Empresa homenageou o nosso Cabo Zé Maria com o descerrar de um lápide no Pátio, um gesto que o Grupo não deixa de expressar a sua Gratitude.

Quanto à corrida, completavam o Cartel os Cavaleiros Joaquim Bastinhas, João Moura Caetano e Miguel Moura e as pegas, alternamos com o Grupo de Évora.

Para o primeiro toiro, saltou da teia o João Caldeira, que em ano de despedida, mostrou como se pisa um ruedo. Andou artista para o toiro, provocou a investida do opoente, não conseguiu reunir nas melhores condições, com o toiro a derrotar por alto, saindo derrotado. Já na segunda tentativa, cresceu para o toiro, decidido, executou uma pega vistosa, com oportunas entradas dos ajudas.

O terceiro toiro da corrida, perfilou-se João Braga. Citou “cá de trás”, mandou no toiro, contudo a longa viagem por baixo, não permitiu que o forcado da cara lá ficasse. Na segunda tentativa, fez-se valer dos seus braços, para da cara do toiro não mais sair.

O nosso último toiro, o quinto da corrida, foi pegado pelo João Pedro Tavares, o nosso “Peco”. A pega pareceu fácil. A simplicidade e a eficiência com que o Peco executa as suas pegas dispensam apresentações. Partiu dando vantagens, carregou de longe, “encheu” a cara ao toiro, passou-lhe os braços e trancou-se como só ele sabe.

O Grupo de Évora, que felicitamos, executou as suas pegas à primeira, com destaque à pega de Gonçalo Pires.   

 

Noel Cardoso

 

Arruda dos Vinhos - 17 de Agosto

Foi no passado dia 17 de Agosto que o GFA Montemor se deslocou até à Arruda-dos-Vinhos para mais uma corrida neste, que é, o mês mais preenchido da época. O cartel apresentava-se bastante atrativo: para além do grupo local, iriam tourear os cavaleiros Luis Rouxinol, Duarte Pinto e Salgueiro da Costa. Os touros pertenciam a seis ganadarias de renome que estavam a concurso, sendo estas a Miura, Palha, Vitorino Martin, Oliveira Irmãos, Cebada Gago, Grave. Os três touros que saíram ao Grupo de Montemor pesavam 610 kg, 590 kg e 500 kg, respetivamente.


Para pegar o nosso primeiro touro, o cabo escolheu, e bem, o forcado Francisco Borges. O touro era sério, da ganadaria lendária de Miura que já fez muita história, tal como o Francisco irá fazer. Toda a sua ambição e qualidades inatas vão fazer dele um dos forcados que vão marcar a sua geração e a história do grupo de Montemor. O nosso “Piriquito”, como não poderia deixar de ser, fez uma pega à primeira tentativa a um touro grande que impunha respeito, fechou-se que nem uma lapa para uma pega limpa e muito bem ajudada pelo grupo liderado pelo primeira ajuda “Quim Zé”.


Já no segundo touro, a escolha do António foi entregar o Vitorino ao Filipe Mendes. O touro era também sério e muito pouco esclarecido no capote. O Mendes voltou aquilo que estava habituado e nós voltamos a vê-lo como o gostamos de o ver: com touros grandes e sérios. O Filipe é um grande forcado, andou com calma para o touro, teve de entrar nos terrenos que secam a boca para depois fechado à barbela, fazer uma viagem grande e vibrante, que lhe valeu uma grande pega e duas merecidas voltas à praça. Pegou 3 touros na Arruda, deu 5 voltas, todos aguardamos com muita expetativa o próximo ano.


Para fechar praça, o nosso cabo escolheu o forcado certo para o touro certo. Foram duas vibrantes tentativas, era um touro que não metia medo pela sua compleição física mas que dentro dele tinha muita maldade, arrancando-se com muita pata e a bater forte pelo grupo dentro. O Manuel quanto a mim esteve perfeito nas duas tentativas, não havia melhor maneira de fechar praça, muito bem no cite e melhor ainda na forma como se agarrou. Muitos parabéns Ramalhão, ainda nos vais dar muitas alegrias.


Não queria finalizar a minha crónica sem dar os parabéns a todo o grupo, foi uma das corridas mais sérias da temporada e correspondemos com uma atuação exemplar e que em muito orgulhou todos os antigos elementos presentes. Queria destacar também o grupo de ajudas, um bom grupo de forcados só é realmente bom se tiver ajudas como nós temos. Desejar as melhoras ao António Dentinho e ao Joaquim Murteira Correia que devido á sua entrega se magoaram, felizmente sem gravidade.
Agradecer também ao Jorge Faria e toda a sua família que nos abriu as portas de sua casa, que bem recebidos fomos.

Pelo Grupo de Montemor...
Venha vinho...
Venha vinho...
Venha vinho...

Frederico Manzarra Caldeira

Voltar
com o apoio de