Nome
E-mail
Home | Notícias
Campo Pequeno, uma corrida para recordar

Último dia de Agosto! Para não variar, lá estava-mos nós de novo de farda na mão prontos para mais uma vez representar o Grupo de Montemor.

Desta vez a cidade de Lisboa e a praça de toiros do Campo Pequeno era o nosso destino para a tão falada corrida do Sporting.

A tarde tinha começado com o lançamento do livro “Toiro”, projecto partilhado por todos os elementos do Grupo de Montemor, ao qual, muitos foram aqueles que se quiseram associar e apoiar. Obrigado a todos que estiveram presentes, que assim deram mais força e significado a um Livro que pensamos que irá marcar a tauromaquia portuguesa.

Com o ego em alta, o ambiente era de confiança. A corrida que estava prestes a começar era mais uma oportunidade de agradecer a todos o apoio, que independentemente da praça, da corrida ou do motivo,estão sempre presentes proporcionando ao Grupo um ambiente familiar, como se estivéssemos sempre a pegar em casa. Não há “claque” como a do Grupo de Montemor.

No cartel estavam anunciados os cavaleiros Joaquim Bastinhas, Luís Rouxinol e João Moura Caetano, os forcados eram os Amadores de Montemor e do Aposento da Moita, os toiros pertenciam à ganadaria de São Trocato, também ela representante da tauromaquia Montemorense, propriedade da família Andrade.

Como se tratava da corrida do Sporting nas cortesias, à excepção de mim próprio, apenas desfilaram lagartos. Rapidamente cheguei à conclusão de que daqueles 8 elementos que se encontravam perfilados, eu era o único que percebia de futebol.

Mais a sério e futebol à parte, saiu o primeiro toiro da noite, bem apresentada mostrou-se reservado durante a lide. Para a pega foi escolhido Francisco Mira, brindou a Soares Franco e citou de largo, depois de alguns passos alegrou a investida do toiro e fechou-se para ficar. Sem dificultar muito a vida ao forcado, o toiro entrou pelos ajudas que prontamente encerraram uma boa primeira pega.

O nosso segundo toiro apresentou-se sério e com mais poder. Manuel Mata brindou ao público e citou com presença, aguentou a investida veloz e embarbelou-se com perfeição, com uma boa 1ª ajuda de António Corrêa de Sá e bem rematado por Rodrigo Pietra Torres encerrou-se uma das pegas mais bonitas e completas da temporada.

Para o último dos Montemorenses, perfilou-se o forcado Rodrigo Pietra Torres, talvez um dos forcados mais completos desta geração. Brindou a Rui Bento Vasquez e com elegância caminhou para o toiro mais bravo da noite, mandou na investida e com uma boa reunião fechou-se para ficar. A viagem foi longa, com o toiro a fugir ao Grupo mas, com este a recuperar bem e a encerrar mais uma pega, numa noite para recordar.

O Aposento da Moita pegou os seus toiros à 1ª, 3ª e 3ª tentativas, com destaque para a boa pega de João Camejo.

Depois da festa de lançamento do livro “Toiro”, a corrida que agora terminava era o colmatar de um grande dia para o Grupo de Montemor. O jantar como não podia deixar de ser foi de festa no restaurante Sal e Brasas do amigo Zé Guerra, perlongando o dia até altas horas.

Rodrigo Corrêa de Sá
5 de Setembro de 2006

Fotografias: Francisco Romeiras

Voltar
com o apoio de