Nome
E-mail
Home | Notícias
Finalmente o Campo Pequeno

Depois de 6 anos fechada ao público para obras de reconstrução e restauro, o Campo Pequeno abriu de novo as suas portas à aficion portuguesa.

O tão desejado momento chegou no passado dia 18 com o Grupo de Montemor integrado no espectáculo, como já o tinha feita na última corrida antes do seu encerramento. Partilhavam o cartel os cavaleiros João Moura, António Telles e Rui Fernandes, os toiros eram da ganadaria Vinhas e para as pegas eram anunciados os grupos de Santarém, Montemor e Lisboa.

A semana que antecedeu o grande dia foi vivida com ansiedade, já se sabia que a praça tinha esgotado em poucas horas, o que empolgava ainda mais o momento histórico. Encontrámo-nos ao fim da tarde junto à praça e aproveitámos a oportunidade para conhecer a nova zona comercial.

Já na fardação, apelámos à concentração pois, todos tínhamos consciência da importância da corrida que agora se aproximava. Ao entrarmos na praça o silêncio imperou, a grandeza do agora reconstruído tauródromo impressionava até o menos sensível e muitos dos que agora estavam fardados nunca tinham tido a oportunidade de actuarem na praça mais importante do país.

Quanto às pegas, antes de escrever esta crónica tive o cuidado de ver o filme da corrida para, a minha descrição ser o mais fidedigna possível e por sua vez não ser acusado de tendencioso ou de facciosismo.

Os toiros que nos calharam em sorte pesavam respectivamente 530 e 550 kg, tendo sido ambos lidados pelo cavaleiro António Telles. Com duas lides bastante conseguidas, em especial a segunda que, empolgou o público, sendo considerado pela crítica portuguesa como o grande triunfador nesta noite histórica.

Para o primeiro toiro foi escolhido o forcado Zé Maria Cortes, depois de duas grandes pegas já esta temporada, pela presença e vontade que tem demonstrado considerei ser o forcado ideal para tão importante pega. Brindou ao público, citou de largo, bonito e vistoso, carregou a investida e aguentou, no momento da reunião o toiro tirou a cara rematando com uma bola obrigando o forcado a tentar de novo. Com a mesma postura citou de novo, mandou na investida e quando se “sentava” para nova reunião, levou com uma investida alta e dura do seu oponente que o desfeiteou em mais uma tentativa. De novo a vontade do forcado veio ao de cimo quando o primeiro gesto ao levantar-se foi agarrar no barrete para nova tentativa. Com o queixo rasgado e a escorrer sangue, não esmoreceu, aguentou outra investida dura do toiro que soube contornar com a raça e vontade que lhe conhecemos, bem ajudado por Diogo Campilho e bem rematada por João José Comenda, encerrou-se uma pega difícil mas em que o forcado esteve por cima.

Muitos foram aqueles que criticaram esta primeira pega dos montemorenses, mas a verdade e depois de ver o filme da corrida, tenho a certeza que se o Zé Maria tem pegado outro qualquer toiro naquela noite, o tinha feito à primeira tentativa.

Para a pega do nosso segundo toiro perfilou-se o forcado Pedro Freixo, brindou a Simão da Veiga a quem o público correspondeu com uma calorosa salva de palmas. Com o toiro fechado em tábuas o forcado teve de o ir buscar aos seus terrenos, fechou-se com uma boa reunião e aguentou uma viagem longa até aos ajudas que se encontravam a dar vantagens. Com uma boa primeira de Hugo Melo e com o restante grupo no sítio finalizou-se mais uma boa pega.

Os grupos de Santarém e Lisboa executaram ambas as suas pegas à primeira tentativa, proporcionando bons momentos.

Para terminar esta noite emblemática, o grupo reuniu-se com os amigos e alguns antigos elementos no restaurante “Os Bastidores” onde quase 100 pessoas se divertiram e conviveram como manda a tradição.

Rodrigo Corrêa de Sá
20 de Maio de 2006 

Fotografias: Francisco Romeiras

Finalmente o Campo Pequeno

No cartel: João Moura, António Telles, Rui Fernandes, os forcados de Santarém. Montemor e Lisboa

Antes das cortesias uma fotografia para recordar

A pega do Zé Maria Cortes ao toiro mais duro da noite

João José Comenda no remate da primeira pega

O brinde emotivo de Pedro Freixo a Simão da Veiga

Bem fechado, aguentou uma viagem longa

A merecida volta com António Telles

A boa disposição na trincheira

A saída foi pelo meio da praça como manda a tradição

Voltar
com o apoio de